Nigel Farage: “Essa geração de jovens, que grita palavras como fascista, tornou-se, ela própria, fascista”

“O que eu vejo é algo muito assustador acontecendo com muitos dos nossos jovens. Nossos estabelecimentos educacionais, através da escola, colégio e universidade, foram tão completamente tomados, pela esquerda liberal, que, na verdade, na definição clássica do Oxford, são as pessoas mais antiliberais que eu já vi, ou conheci, em minha vida! E eles se reproduziram no meio dos nossos jovens, não apenas para doutriná-los em um ponto de vista, mas para fazer pensarem que o outro ponto de vista é inaceitável, que deve ser alvo de protestos e até ser banido! E isto é horrível! Horrível! Há milhares de pessoas nas ruas de Londres esta noite protestando para que Donald J. Trump sequer visite o Reino Unido. Essa geração de jovens, que grita palavras como fascista, tornou-se, ela própria, fascista.”

Anúncios

Hino das milícias andaluzas (falange espanhola)

Viva, viva a revolução!
Viva, viva a Falange das JONS!
Fora, fora, fora capital!
Viva, viva o Estado Sindical!

O que não queremos: reis idiotas
que não saibam governar;
E implantaremos, sim, porque queremos:
O Estado Sindical!

Viva, viva a revolução!
Viva, viva a Falange das JONS!
Fora, fora, fora capital!
Viva, viva o Estado Sindical!

São as esquadras de José Antônio
as que têm de triunfar;
E triunfaremos, e implantaremos:
O Estado Sindical!


Notas

  1. JONS = Juntas de Ofensiva Nacional Sindicalista

Colaboradores do Nacional-Socialismo: O Grande Mufti de Jerusalém (Documentário)

A história de como o Grande Mufti Amin al-Husayni de Jerusalém (1895 – 1972) ajudou Hitler e os nacionais-socialistas em seu objetivo de erradicar os judeus durante a 2 ª Guerra Mundial e do Holocausto.

Dos indivíduos que foram acusados ​​de colaboração com Hitler e os nacionais-socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, talvez seja Mohammed Amin al-Husseini o mais polêmico de todos. Debates ainda se travam até hoje para saber se seu pacto aparente com os nacionais-socialistas foi um ato puramente individual ou se al-Husseini era um porta-voz do fanatismo anti-judaico do mundo árabe mais amplo. Que ele era simpático à causa nacional-socialista não se tem dúvidas. Mas quais eram os seus motivos? E o quanto ele realmente apoiou as intenções nacionais-socialistas para os judeus?

Este filme tem um olhar detalhado sobre a vida de al-Husseini e explora a verdadeira natureza da sua colaboração com os nacionais-socialistas. Ele examina o legado de suas ações durante a Segunda Guerra Mundial e explora o impacto de sua influência sobre o Oriente Médio no século XXI.