Ronald Reagan fala sobre o Fascismo na América

Anúncios

A supremacia da Esquerda é tal que quase ninguém fala sobre as origens socialistas do fascismo

Daniel Hannan

poster-national-socialism
O constrangimento está no nome. Lê-se no panfleto: “Nacional-Socialismo: a vontade organizada da Nação”.

“Sou um socialista”, disse Hitler a Otto Strasser em 1930, “mas um tipo de socialista bem diferente do seu amigo rico, o Conde Reventlow”.

Ninguém naquele tempo comentaria que a afirmação acima é controversa. Os nazistas dificilmente seriam mais claros sobre o seu socialismo do que se descreverem com a mesma terminologia que usamos no nosso SWP1: Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães.

Quase todo mundo aceitava, naquele tempo, que o fascismo tinha emergido da Esquerda revolucionária. Os seus militantes marchavam nas Festas de Maio sob bandeiras vermelhas. Os seus líderes sinalizavam na direção de coletivismo, controle estatal da indústria, altas tarifas, conselhos de trabalhadores. Na Europa toda, fascistas estavam convencidos de que, como dito por Hitler a um entusiasmado Mussolini, em 1934, “o capitalismo havia chegado ao fim da linha”.

Um dos feitos mais extraordinários da Esquerda contemporânea é a criação de um ambiente cultural onde mencionar esses fatos é, simplesmente, algo chocante. A História foi reinterpretada, e toma-se como axiomático que fascismo deve ser considerado de Direita, sendo a lógica aparente de que a Esquerda significa compaixão e a Direita significa sordidez e fascistas são sórdidos. Você espera esse tipo de análise da galera do Twitter; não deve esperá-lo dos comentaristas do mainstream.

Quando foi a última vez que você ouviu uma referência ao BNP2 na BBC sem o epíteto ‘extrema-direita’? A terminologia é deliberadamente tendenciosa. Não faz com que pensem um pouco menos do BNP; mas faz com que pensem menos do mainstream da Direita, porque implica que o manifesto do BNP é de alguma forma um tipo de conservadorismo mais intenso.

Manter essa crença, contudo, depende de você fechar os seus olhos para o grosso do que o BNP representa.

Como o New Statesman o coloca:

Numa breve passada de olhos pelos escritos do manifesto do BNP revelam-se propostas que apontam para o seguinte: grandes aumentos nas pensões estatais; mais dinheiro para o NHS3; aprimoramento da proteção ao trabalhador; estatização de indústrias chaves. Sob Griffin, a extrema-direita dos dias modernos tem se posicionado a esquerda do Partido Trabalhista4.

Realmente. O etno-nacionalismo do partido é simplesmente mais uma forma de protecionismo. Assim como não é favorável a livre circulação de mercadorias, não é favorável a livre circulação de pessoas. Não é de se admirar que recentemente o BNP tenha se propagandeado como ‘O Partido Trabalhista no qual os seus pais votavam’.

Eu estou querendo dizer que o BNP é simplesmente um outro tipo de Partido Trabalhista? Não. Isso seria repetir o erro do sujeito do Twitter, só que ao contrário. Há obviamente diferenças imensas entre o que Nick Griffin representa e o que Ed Miliband representa. Sim, o BNP tem algumas políticas em comum com o Partido Trabalhista, assim como tem algumas políticas em comum com o Partido Verde, com os Liberais-Democratas e com os Conservadores. Coincidência de políticas não estabelece consanguinidade de doutrina.

Eu apenas espero que os Esquerdistas que leram até aqui saibam como os conservadores se sentem quando descrevem o fascismo como se fosse simplesmente um ponto no extremo do espectro político que se moveu a partir do conservadorismo. Sempre que alguém aponta as origens socialistas do fascismo, ouve-se uma gritaria de indignação. Curiosamente, os que gritam mais alto são frequentemente os primeiros a afirmar a existência de alguma ligação ideológica entre o fascismo e o conservadorismo. Talvez ambas as partes devessem se dar uma trégua.

Notas de rodapé

  1. Sigla de Socialist Workers Party (Partido Socialista dos Trabalhadores).
  2. Sigla de British National Party (Partido Nacional Britânico).
  3. Sigla de National Health Service (Serviço Nacional de Saúde).
  4. Labour Party (Partido Trabalhista).

Original em inglês disponível no endereço:
http://blogs.telegraph.co.uk/news/danielhannan/100203076/so-total-is-the-lefts-cultural-ascendancy-that-we-dare-not-mention-the-socialist-roots-of-fascism/ [link quebrado]

P.S. O original ainda pode ser encontrado na web no endereço: https://www.mises.ca/so-total-is-the-lefts-cultural-ascendancy-that-no-one-likes-to-mention-the-socialist-roots-of-fascism/